ASSPROM | Drielly Oliveira conta como a experiência na Assprom lhe ajudou em sua trajetória de vida
31076
post-template-default,single,single-post,postid-31076,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-1.9,wpb-js-composer js-comp-ver-4.6.2,vc_responsive

Drielly Oliveira conta como a experiência na Assprom lhe ajudou em sua trajetória de vida

10:29 16 setembro em ASSPROM, Depoimentos
0 Comentários

Conheça a história de Drielly Oliveira, 32 anos, gerente da Caixa Econômica Federal. Em entrevista ao Jornal da Assprom, a ex-adolescente trabalhadora elogia a contribuição da Assprom em sua formação e promove palestra para os jovens sobre economia financeira. Confira!

JORNAL DA ASSPROM: Como foi o seu ingresso na Assprom?

Drielly Oliveira: Procurei a Associação porque precisava trabalhar, uma vez que eu não tinha meus pais e morava com tios e a situação financeira não era muito favorável. Eu queria estudar, comprar minhas coisas e somente com o trabalho fixo eu poderia conquistar meus objetivos. Então, fiz meu cadastro e ingressei na BHTrans; posteriormente, na Advocacia Geral do Estado (AGE), onde fui muito feliz e conheci servidores incríveis dos quais possuo contato até hoje. 

JORNAL DA ASSPROM: O que de mais importante você aprendeu na Associação?

Drielly Oliveira: Aprendi que o bom relacionamento e trabalhar com empenho e dedicação abrem portas. O tão famoso “network” foi um pilar importante na minha vida pós-Assprom. Honestidade, diligência, caráter, força de vontade e persistência são valores que carrego comigo até hoje e que aprimorei durante meus anos de trabalho na Associação. 

JORNAL DA ASSPROM: O que fez após o término de seu contrato com a Assprom?

Drielly Oliveira: Após o desligamento, graças ao relacionamento que construí na AGE, fui indicada para uma entrevista de estágio na Secretaria de Estado de Saúde (SES). Passei no teste e fiquei um tempo como estagiária. Depois fui contratada como terceirizada. Após alguns anos, todos os terceirizados precisavam fazer um concurso para continuarem ativos. Então, prestei este concurso na MGS, passei e fiquei na SES até os 22 anos, quando entrei para Caixa Econômica Federal (CEF). 

JORNAL DA ASSPROM: E por que optou em fazer o concurso da Caixa? 

Drielly Oliveira: Tendo contato com servidores efetivos, tanto na BHTrans quanto na AGE, percebi que o concurso público seria o ideal para conquistar meus objetivos. Eu queria sair de casa e morar sozinha, para isso, precisava de um trabalho garantido que não fosse me trazer surpresas desagradáveis ao longo do percurso. Fiz alguns concursos e, em 2010, passei no concurso da Caixa, sendo chamada em jan/2011. Eu conhecia algumas pessoas da Caixa e sabia que é uma empresa que se pode crescer e ter reconhecimento profissional através da meritocracia. 

JORNAL DA ASSPROM: Como é sua rotina de trabalho?

Drielly Oliveira: Hoje sou Gerente de Clientes e Negócios III, cuido de investimentos. Trabalho 9h/ dia e preciso estudar todos os dias para saber dos movimentos macro e microeconômicos, fazer vários cursos de especialização que me ajudam no desempenho da minha função. Lido com pessoas todos os dias, apresentando soluções e alternativas para melhor gestão dos recursos financeiros. 

JORNAL DA ASSPROM: Após o seu desligamento, você também cursou Processos Gerenciais. Porque escolheu este curso?

Drielly Oliveira: Fiz o cursinho preparatório para o ENEM pela Assprom e com a minha nota consegui bolsa integral na UNA para o curso de Processos Gerenciais. Na época, coloquei como opção por ser um curso amplo e que me daria competência para executar diversos trabalhos e, posteriormente, escolher alguma área especifica de atuação.

JORNAL DA ASSPROM: Em sua opinião, qual o principal desafio para quem está se preparando para entrar no mundo do trabalho?

Drielly Oliveira: É preciso se qualificar. Seja uma pós-graduação, cursos técnicos, extensão, cursos online. Ficar cada vez mais especialista no que se aprendeu.

JORNAL DA ASSPROM: Que dica você dá para os jovens que querem permanecer no mercado de trabalho?

Drielly Oliveira: Estudem, estudem, estudem! Sejam persistentes! Às vezes, a vida pode ser muito dura, mas só quem se mantém perseverante e confiante consegue alcançar seus sonhos. A educação abre a mente para busca de soluções, melhorias, caminhos e abre portas.

JORNAL DA ASSPROM: Quais são seus planos pessoal e profissional?

Drielly Oliveira: Meus planos pessoais consistem em tirar uma certificação de proficiência em inglês e dar palestras sobre PNL, finanças, desenvolvimento pessoal. No profissional, galgo uma carreira em Brasília, na Matriz da Caixa.

JORNAL DA ASSPROM: Gostaria de deixar alguma mensagem para a Assprom?

Drielly Oliveira: Agradeço imensamente pela oportunidade de trabalho, de fazer cursos, de aprender, de conhecer um mundo que antes eu não fazia ideia que existia: um mundo de possibilidades! Somente através da oportunidade de trabalho que tive na Assprom que consegui subsistir e existir. Gratidão!

 

Sem Comentários

Adicione um comentário

Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On InstagramVisit Us On Linkedin