ASSPROM | Solidariedade cultivada em família
26854
post-template-default,single,single-post,postid-26854,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,,qode-theme-ver-1.9,wpb-js-composer js-comp-ver-4.6.2,vc_responsive

Solidariedade cultivada em família

Solidariedade cultivada em família

08:17 04 Abril em Noticias
0 Comentários

Bons exemplos são ótimas escolas. Isso fica mais evidente quando se alia o exemplo à vocação de ensinar. É o que acontece no Projeto de Estudo de Línguas Estrangeiras da Assprom, realizado em parceria com a Escola de Idiomas Luziana Lanna.

A professora voluntária Camila Oliveira, 19 anos, se alegra em dedicar uma parte de seu tempo para ensinar inglês aos adolescentes e jovens da Assprom. Sua inspiração vem da avó, Maria do Carmo Pinho, 80 anos, que também foi professora voluntária na entidade.

Sempre me inspirei em minha avó para ser um ser humano melhor. Ela, consecutivamente, me falava do trabalho que realizava com os jovens da Assprom. Lembro de que eu tinha uns 10 anos e ela me disse que daria aulas voluntárias e, no começo, não entendia como aquilo funcionava. Depois que fui crescendo e comecei a achar super legal”, conta Camila.

O voluntariado de Maria do Carmo começou em 2004, quando aceitou o convite para dar aulas para os jovens da Assprom. “Eu me sentia muito feliz realizando esse trabalho. Era o mínimo que podia fazer para ajudar o meu próximo. Percebi que o trabalho voluntário que faziam era muito maior do que eu conhecia. Então me senti tocada a fazer parte de tudo isso”, explica.

Para a empresária Luziana Lanna, é gratificante ver o fruto que é gerado. “Ser voluntário, não é ser o bacana, o ‘bam bam bam’. É querer que todo mundo tenha uma oportunidade. Se você pode doar um pouco do que você tem, se puder tirar um pouquinho do seu tempo e doar o que sabe, você irá fazer crescer essa semente de solidariedade”, frisa.

O adolescente trabalhador Eder Lucas Gomes elogia a atuação das voluntárias. “As professoras podiam estar em casa ou qualquer outro lugar, mas preferem doar um pouco do tempo delas para dar atenção. A Camila, por exemplo, ensina muito bem o conteúdo. Se esforça ao máximo para tirar nossas dúvidas. As aulas de inglês são muito caras e acho muito bacana a oportunidade que a Assprom e a Escola Luziana dão para a gente”, conta.

Inscrições

Ficou interessado em participar das aulas de inglês ou espanhol? Entre em contato com o setor de cursos da Assprom para tirar as dúvidas e saber mais sobre o processo das inscrições, pelos telefones (31) 3270-2219/2226/2228.

 

Sem Comentários

Adicione um comentário

Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On InstagramVisit Us On Linkedin